13 de ago de 2015

ROSTOS SERENOS, CORAÇÕES TURBULENTOS


"Se distanciou das palavras, se perdeu de quem era e esteve ao léu de todas as convicções que sempre pregou.
Decidiu não demonstrar nenhuma fraqueza, pois não seria prudente abrir determinadas lacunas para os oportunistas que rodeiam.
Estagnou... Chorou... Silenciosamente foi perdendo a magia que tantos diziam brilhar em seu olhar negro.
E em suas piadas tão vazias quanto sua expectativa de amanhã, via-se todo o desprezo a si mesma.
E deram conselhos que ninguém nunca iria usar. Ela cautelosamente guardou em um daqueles baús que ficam cheio de poeira e esquecidos no sótão.
O mundo talvez não saiba, mas quando os preconceitos e dores invadem e fazem morada, não há palavras que possam desapropriar a terra improdutiva que se tornou o coração.
- Mas menina você deve ser forte, deveria levantar. Que mania horrível de se entregar, já vi você superando coisas bem piores!
Muito impressiona o vasto conhecimento que a pessoas acreditam ter do que se passa no interior dos outros. Na grande maioria das vezes rostos serenos, escondem corações turbulentos.
E o barco que antes navegava ferozmente e sem pudor rompia qualquer onda que tentasse o derrubar, aquele mesmo barco que superou inúmeras tempestades e dominava as águas, desbravando suas mares, hoje vaga sem rumo. Antes rumava tal qual um navio imponente, hoje é apenas um barquinho de papel afundando na bacia."
Aline Alves