13 de set de 2014

NA BRISA DO MEU OLHAR


"Percebi que tenho agido feito uma criança mimada nos últimos tempos, afinal não era eu vivia estufando o peito pra dizer que era a garota que amadureceu cedo demais?
Estranho ver que eu tenho me tornado tudo que sempre critiquei. Acho que a gente critica qualquer coisa que não entende e quando vive de fato, percebe o quanto foi idiota por muito tempo.
Lembro que um ano atrás jurei não fazer promessas, falar de amor ou sofrer por alguém... Hoje olha onde eu me encontro.
Já sei que esse é meu maior defeito, me doar demais, me entregar demais e achar que o mundo vai me retribuir isso. Sempre me iludo com novos amores, sempre espero finais inesperados, surpresas arrebatadoras e que as pessoas sejam intensas como se estivéssemos vivendo nossos últimos momentos. Mas a grande realidade é que todos sempre agem como se o amanhã fosse certo, como se sempre houvesse uma segunda chance de corrigir as coisas... Uma grande pena tudo isso.
Não peço mais que um pouco de atenção, carinho e dedicação e ainda assim isso parece ser pedir demais.
Já ouvi falar muito sobre a pessoa certa no momento errado, mas o momento não somos nós quem fazemos? Se tudo na vida passa e o que fica são os laços que criamos com as pessoas, qual o sentido disso tudo?
Acendo mais um cigarro e fico observando a fumaça rasgar o breu da noite, enquanto isso minha imaginação vai longe. Fico aqui pensando em como seria se isso, se aquilo... Sem saber muito bem o que fazer, como se viver pedindo a Deus e imaginando finais felizes fosse o suficiente pra mudar uma história que parece bem encaminhada.
Por fim decido deixar a brisa no meu olhar trazer o brilho de volta, já que nada mais faz meus olhos vidrarem assim. Começo a rir, mesmo que seja só um momento vazio. Verde virando cinzas no ar, penso em mil coisas, quero explodir, quero chorar, a pupila dilata, me seguro, vou pra casa e durmo.
E durante a noite minha mente faz questão de trazer pros meus sonhos justamente aquela protagonista que eu tento transformar na maior vilã, pois eu sei que se o ódio tomar conta de mim tudo se torna mais fácil.
E quando acordo pela manhã me deparo com uma ressaca moral enorme e uma vontade de repetir tudo de novo.
A maior pena é que as coisas não dependem de mim... Triste não ser o bastante, triste saber que meus olhos vermelhos não são só por causa da fumaça..."
Aline Alves

O HERÓI E A PRINCESA


"Firmei minhas mãos no volante do carro quando elas começaram a soar.
Eu falava sobre qualquer coisa e olhava para frente, por medo de encará-la.
Parei o carro em uma rua qualquer, respirei fundo pra tomar coragem, esperei o momento e a beijei... Acho que eu seria leviana se tentasse descrever o que senti.
Me perdi entre um suspiro e outro e quando me dei conta seu corpo estava sobre o meu. Ela me olhava, me mordia entre um beijo e outro, me provocava e eu me sentindo uma criança em suas mãos.
Foi como sol e lua num eclipse lindo e perfeito. Como Yin e Yang que precisam um do outro para manter o equilibro. Como a chuva se misturando a luz do sol e colorindo o céu na aquarela de um arco-íris.
A noite se foi e meu corpo que antes tremia, agora estava esquentando o dela. Se antes ela me dominava, agora eu me sentia o herói protegendo a princesa.
Um dia foi ela o fogo com o isqueiro, mas foi o desejo dela que queimou em mim.
O que me resta afinal é esperar e aprender a me adaptar, na vontade que aquela noite se repita várias vezes."
Aline Alves