29 de jan de 2014

MONÓLOGO INTERNO


"1, 2, 3 passos
E os carros passam em um movimento orquestrado
O pipoqueiro pacato, o homem fumando no ponto de táxi e o grupo de ambulantes na esquina se perdem em meio ao tic tac das horas que não param.
E ainda assim o vento insiste em fazer curvas entre os prédios e levar consigo tantas coisas que ninguém vê no vai e vem da cidade.
Realmente existem coisas no coração das pessoas que ninguém deve saber.
Batidas , compassos, pensamentos, reflexões, inseguranças, certezas, ressentimentos, marcas e de fato quem eu sou?
Na água da fonte molham-se vidas secas, sob o sol morno que bate no chão buscando romper as sombras que se espalham pelos cantos.
Creio que na verdade se comprometer e compenetrar vale mais do que viver como se o amanhã fosse certo ou se ele não existisse.
Quem sou? Talvez alguém de bem, mas certamente alguém melhor do que era no verão passado.
E no número 13 ficou a fumaça do que assombra...
E a cidade não para entre 1, 2, 3 tic tacs e eu sigo em um monólogo interno que me torna diferente do que a maioria dos olhos podem ver ao iluminar dos faróis dos carros."
Aline Alves

2 de jan de 2014

DESCANSE EM PAZ


"Vai me dizer que ninguém te avisou que essa hora chegaria?
Como se sente vendo desmoronar toda a tragédia que você arquitetou?
Parece que você se esqueceu de que nada se sustenta sobre um alicerce ruim!
Tão vazia e falsa como as promessas que nunca cumpriu...
Aonde está o seu caráter? Aonde está o seu sorriso e olhos brilhantes? A sua expressão tão suave esconde a besta que está dentro de você.
Você mente com a mesma facilidade que pisca. Se julga tão verdadeira e correta, mas é pior do que muitos.
E pra onde foram as palavras e as certezas que te faziam confiar tão cegamente que estava certa?
Quando a vida tenta nos ensinar devemos sentar e tentar aprender, pois ela é cada vez mais cruel quando repete a lição.
E você se especializou em cair e rastejar, por acaso é tão difícil assim aprender a caminhar?
A vida te deu uma chance, você deixou a pseudo glória subir a sua cabeça.
Quanto maior a altura, maior será a queda.
Isso é só o começo.
Você deixou e deixa muitos na lama, mas depois ergue as mãos pro céu pedindo uma luz no fim do túnel.
Procure aqueles que você ama... Ah sim, você não pode amar. Talvez você não ame nem a si mesma.
Você estava e sempre estará cega e cheia de si.
De todos os lados, em todos os aspectos, com todas as certezas eu te pergunto: Quem realmente é você?
Apenas um parasita? Um verme? Uma sanguessuga que sempre consome tudo que as pessoas podem lhe dar e depois as descarta como se elas não tivessem nenhuma importância.
Acho que você é sua pior inimiga, seu pior pesadelo, seu maior medo, a pedra em seu próprio caminho, o punhal em suas costas...
Não se esqueça que sempre que você plantar o mal ele voltará para você, na mesma intensidade.
Quando você quer, você sabe ser forte e lutar pelo os seus ideais. Você sabe como agir, você é manipuladora.
Não só você, mas como uma legião de demônios que lhe rodeiam e lhe adoram, veneram e se curvam diante aos seus pés e admiram as suas palavras muito bem colocadas.
Ó querida, pare de se enganar, diferente de você não preciso correr o mundo para difamar. Eu deixo a vida rolar e te entrego mas mãos dos justos para que aconteça o que tiver que acontecer.
Eu me apego fácil, mas também largo fácil. Você me fez desistir de você.
Eu corri atrás, tentei lhe fazer sorrir, lutei contigo e no fim pra ti nada significou.
Você não se importa e nunca se importou.
Mas eu só tenho que lhe agradecer, porque depois do desprazer de ter você em minha vida, pode ter certeza que estou fechando portas para muitos.
Gente igual a você não fará mais parte da minha vida.
Posso lhe encontrar, até cumprimentar e agir como se nada tivesse acontecido, mas você não tem significado nenhum pra mim.
Não senti, não sinto e não sentirei sua falta.
Descanse em paz."
Aline Alves e Vitória Amorim