27 de set de 2013

SENSAÇÕES


"Sinto um calor tomar meu peito
Um frio gelar a espinha
Aquela sensação estranha
As pernas tremulas
O coração palpitante
As mãos inquietas
Uma vontade de gritar
E uma força esmagando meu ser
A vista fica turva
A boca fica seca
E eu estou entregue
Não há mais como fugir
É esse o meu fim, meu amor
Me perdi no seu sorriso
No desenho dos seu lábios
E toda vez que você sorri
Sinto um calor tomar meu peito
Um frio....
E eu estou entregue
E eu não posso negar
Eu não posso evitar
Eu te amo
Com cada gota do meu ser
Eu...
Estou entregue."
Ana Costa

20 de set de 2013

NOITE DAS BRUXAS


"Não saia de casa hoje garotinha e contente-se em comtemplar a lua cheia pela fissura da janela do seu quarto.
Essa noite não há vampiro ou lobisomem que possa te proteger.
Não há luz para iluminar seu caminho e nem trocha acesa que possa queimar seus medos.
Entre a neblina, em curvas, entre marcas de pneu no asfalto e freadas, você não conseguirá acelerar.
Acenda as velas e faça a oração mais forte que conhecer, com alguma sorte você estará a salvo.
Não chore, não se iluda.
Essa noite não existem anjos nem santos caminhando sobre a terra e você não terá mais ninguém além de você, portanto não se perca.
Sinta o cheiro enfeitiçado da magia que subitamente se espalha pelo ar.
Não haverão pássaros voando entre os morcegos.
Existe sobre o portão um gato preto.
Jogue as pétalas de rosa sobre o chão e deixe sua imaginação fazer todo o resto.
O espelho se quebrou e você não pode mais se encarar diante do que não pode ser.
Não há inocência que possa mudar o que está por vir.
Guarde seu amor e dê espaço a dor e ao rancor. Não existe ternura em uma noite de horror.
Esqueça tudo o que apendeu, pois os monstros não estão embaixo da cama ou dentro do armário. Eles estão habitando o mais intimo de você.
E não pense em correr para os braços de qualquer herói fajuto de um folhetim das oito, pois hoje minha cara o dia não é de príncipes e princesas.
Hoje a noite é das bruxas..."
Aline Alves

17 de set de 2013

ALINE POR ALINE


"É preciso sentir pra saber como agir e tentar não desistir da caminhada.
E foi sozinha que me encontrei. Distante da realidade das multidões, mas perto de quem realmente sou.
E mesmo que os pensamentos ainda sejam os mesmos o grande fato é que o caminho é diferente e meus pés estão se acostumando em pisar em terrenos arenosos.
Com o tempo a gente começa a entender que difícil mesmo não é acender a fogueira, mas sim mantê-la acesa a madrugada toda. E infelizmente nem toda fogueira pode nos aquecer...
Entretanto vale o aprendizado de que nem sempre dizer tudo é o melhor. Muitos falam demais para sentirem-se superiores ou por cima em alguma situação, porém estes frequentemente acabam tornando-se escravos de suas palavras e eternos mestres na arte de se arrepender por não pensar antes de dizer. Entendi isso quando aprendi a me calar e observar as pessoas, pois se você não pode fazer o bem com o que diz é melhor não fazer nada mantendo-se em silêncio.
Avisa lá do outro lado que hoje a Ana Julia do Los Hermanos e vou me perder no ar.
Não deixe de dizer que sou a Renata do Tihuana e não posso esperar pro resto da vida.
Diga também que sou a Natasha do Capital, tenho sete vidas, mas ninguém sabe de nada.
E com tudo isso eu sou também sou o Maurício do Legião e sei que tudo que sonhei foi um sonho meu, mas vejo o quanto a solidão me cai bem.
E com tudo isso não deixei de ser a Aline do Skore, que vai levar flores em seu funeral. Sou a Aline do Abril que espera parar de chover e crê que as canções que eu fiz consigam dizer algo sobre o que eu sinto.
Sou a todas as Alines, menos a mesma que fui por anos. Sou todas elas numa só, mas sou uma só diferente delas.
Sou uma árvore no deserto, lutando para sobreviver mesmo com as adversidades e esperando que alguma tempestade seja bela o bastante para balançar meus galhos. E mesmo que as folhas mais fracas caiam, ainda assim me sentirei completa ao saber que não há sol escaldante que possa secar a vontade de viver que jorra dentro de mim!"
Aline Alves

7 de set de 2013

IMAGINE ME AND YOU


"Hoje é um daqueles dias que amanhecem nublados e frios.
Venta tanto que até me atrevo a dizer que todas essas lembranças que me angustiam foram trazidas pelo vento. É sempre bom ter quem culpar nesses casos.
Existe uma dor que não vai se curar tão cedo, mesmo após um coquetel de remédios.
Me tornei tão distante do que costumava ser, que apenas aceitei e continuo me mantendo distante.
‘O pior cego é o que não quer ver’... Na verdade não querer ver é uma tática de quem não aguenta mais se martirizar. Não ver, às vezes significa não sentir ou camuflar tudo.
Não sei muito bem o que seria certo, sei que ‘You’ não tocou mais e provavelmente não tocará.
Outro dia por acaso ouvi tocar ‘So Happy Together’ em algum lugar. Me lembrei de uma tarde, um filme, sorvete e muitas risadas. Pela primeira vez fui capaz de lembrar sem o pesar dos erros dos últimos tempos, foi uma lembrança terna e gostosa. Já estava sentindo falta disso. E de tudo que a música disse uma parte não saiu da minha cabeça: ‘I cant see me loving nobody but you for all my life. When you are with me baby the skies will be blue. For all my life. Me and you. And you and me. No matter how they toss the dice. It had to be. The only one for me is you and you for me’.
Lembrei de uma promessa feita em frente ao bar: ‘Fica tranquila, eu vou te tirar daqui. Você é minha!’. E eu me apegava tanto a ela, mas percebi que algumas promessas devem ser feitas para amenizar dores momentâneas e não para serem cumpridas como uma verdade única e irrefutável.
Eu seria uma mentirosa desenfreada se quisesse esconder de mim mesma que essa saudade está me corroendo, mas pareço forte e integra diante dos outros por me mostrar indiferente. Mas a que ponto o que os meus ou seus amigos pensam pode sobrepor o que se sente? E eu sinto, embora saiba que isso venha só de mim.
Antes de adoecer estava conversando com um senhor desses sem muito estudo, mas que tem uma experiência de vida que acho que eu não vou ter nem daqui a 50 anos. Eu estava distante e mal humorada no ônibus indo trabalhar e ele apareceu do nada e se sentou ao meu lado. Nunca havia o visto e creio que não verei de novo, mas acho que isso não importa. Sem muita vergonha ou auto repúdio ele começou a falar sem dar tempo para que eu pudesse discordar ou dizer o que estava sentindo. Não lembro ao certo as palavras que ele usou, mas sei que foi mais ou menos assim:
‘Tenho 35 anos de casado e 4 filhos. Nunca desejei ter ninguém além da minha esposa e sei que depois que um de nós dois morrer ele estará junto a Deus esperando para nos encontrarmos de novo. Sabe, já brigamos muitas vezes. Brigas que fariam os casais de hoje se odiarem. Mas somos de uma época onde as pessoas levavam os sentimentos mais a sério que as coisas e lutavam até o fim por aquilo que as fazia bem. Nunca me importei de ficar sem comer para alimentar um filho meu ou de dividir um pedaço de pão com minha esposa e isso fazia a gente se unir cada vez mais. Acho que é bom querer mais, porém quando se espera menos ficamos mais felizes e satisfeitos com o que conquistamos, mesmo que seja algo pequeno. O problema dessa juventude é que ninguém mais sabe o que quer de fato e ninguém entende que o que realmente importa são as pessoas. Todos querem tudo e ao mesmo tempo e se sentem frustrados quando conseguem apenas aquilo que precisam de fato. Veja nesse ônibus quanta gente mal humorada e rancorosa porque está indo trabalhar... Minha filha, eu vejo que você está distante e nem sei o que se passa, mas pense que talvez você tenha o que precisa para o momento e só está se sentindo assim por querer algo a mais. Se algo está errado, conserte. Vocês jovens tem essa péssima mania de querer tudo novo e descartar o que precisa de reparos, dessa forma vocês acabam perdendo a oportunidade de criar laços duradouros e vivem de momentos e coisas vãs. Apenas se apegue a quem você ama e não ao que você quer. Nada no mundo pode ser maior do que o que se sente e faz por quem se ama.’
E depois do que ele disse, passei a pensar mais. Talvez por isso essa manha nublada de sábado tenha trago tantas coisas."
Aline Alves