29 de jan de 2014

MONÓLOGO INTERNO


"1, 2, 3 passos
E os carros passam em um movimento orquestrado
O pipoqueiro pacato, o homem fumando no ponto de táxi e o grupo de ambulantes na esquina se perdem em meio ao tic tac das horas que não param.
E ainda assim o vento insiste em fazer curvas entre os prédios e levar consigo tantas coisas que ninguém vê no vai e vem da cidade.
Realmente existem coisas no coração das pessoas que ninguém deve saber.
Batidas , compassos, pensamentos, reflexões, inseguranças, certezas, ressentimentos, marcas e de fato quem eu sou?
Na água da fonte molham-se vidas secas, sob o sol morno que bate no chão buscando romper as sombras que se espalham pelos cantos.
Creio que na verdade se comprometer e compenetrar vale mais do que viver como se o amanhã fosse certo ou se ele não existisse.
Quem sou? Talvez alguém de bem, mas certamente alguém melhor do que era no verão passado.
E no número 13 ficou a fumaça do que assombra...
E a cidade não para entre 1, 2, 3 tic tacs e eu sigo em um monólogo interno que me torna diferente do que a maioria dos olhos podem ver ao iluminar dos faróis dos carros."
Aline Alves

Um comentário:

  1. Nunca pare de escrever, conserve sempre esse seu dom incrível

    ResponderExcluir