27 de jan de 2012

O NADA


“E dentro de mim apenas o nada. O nada que se foi. O nada que sobrou. O nada que eu me tornei. Uma vida vazia, com momentos vazios e sem emoção. À minha volta, pessoas vazias com palavras vazias me prendendo ao chão. Será você, desconhecido, quem vai me dar a mão e me tirar desse buraco? Ou terei eu de escalar sozinho os meus muros e enfrentar o que há do outro lado?”
Thiago Lamas

Nenhum comentário:

Postar um comentário