15 de mai de 2012

ESTAÇÃO SANTA INÊS


"Fazia tempo que eu vinha sendo forte, mas hoje por um capricho meus olhos resolveram libertar as lágrimas que estavam presas desde a última vez.
Vi algumas fotos, ouvi algumas músicas, tive algumas recordações... Abracei aquele bichinho de pelúcia e simplesmente chorei...
Nunca mais irei te ver, nem ouvir tua voz. Pretendo não manter contato algum. Mas sei que daqui a cinquenta anos ainda me lembrarei de você exatamente da forma como eu lembro agora.
Não estou curada, talvez apenas esteja entorpecida pelos caminhos que decidi levar... Você escolheu outros bem antes de mim...
Hoje fui até a estação do metrô. Aquela mesma que por várias vezes te esperei, em algumas chorei ao ver você com outra pessoa. Sei que você está ali todos os dias...
Queria que você fosse o metrô e eu a estação final, assim eu saberia que mesmo que você visitasse outras estações durante o dia, quando a cidade adormecesse era ao meu lado que você iria repousar.
E queria... Como queria... E eu quis tantas coisas...
Algum dia olhe para trás e encontre meu amor nas cinzas do teu passado. Esse passado que é o que restou de um agora que não foi vivido.
Não esqueci, apenas desisti. Cansei de me machucar. Entenda como um adeus. Um nunca mais.
Você não me notou, mas na estação Santa Inês te vi, chorei e me despedi da história mais marcante da minha vida!"
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário