4 de fev de 2013

MUITO SAL E DUAS GOTAS DE PIMENTA


"Amanheceu o dia, o relógio marca 6h.
Ela acorda com os olhos ainda inchados. Apenas uma consequência de mais uma noite difícil.
Ela se levanta, caminha vagarosamente até o banheiro enquanto tenta limpar sua mente, lava o rosto e se olha intensamente no espelho, como se quisesse ver onde se encontra a feriada que inquieta sua alma.
Volta ao quarto, aquele que foi palco de um espetáculo atormentador na noite passada.
Abre o armário e escolhe cuidadosamente a roupa mais colorida e alegre que tem, esse é apenas mais um de seus artifícios para acorrentar seus monstros.
Escolhe o salto mais alto que tem, pra provar a si mesma que ela está a cima de tudo aquilo que tenta a derrubar.
Volta ao espelho para arrumar o cabelo, joga de um lado para o outro para encontrar o melhor penteado. Ela costuma fazer isso na vida, se joga de um lugar a outro, de um grupo de pessoas para outro, tentando se encontrar.
Gasta alguns minutos se maquiando em um ritmo quase mecânico: Base, pó, rímel, delineador, blush, sombra, gloss, lápis... E como em um passe de mágica aquele rosto triste da lugar a uma beleza que estava escondida por trás de um semblante abatido. Diferente do que muitos estão pensando, essa não é uma máscara para esconder quem ela realmente é, muito menos uma armadura que abriga um ser frágil, aquela é a resposta que ela dá ao mundo, a forma que ela encontrou de mostrar que mesmo que o mundo a leve para trás, pela manhã sempre haverá uma garota renascida.
Por fim ela acrescenta a cereja que faltava para que o bolo estivesse completo, estampando um sorriso largo e reluzente em seu rosto, não que ele seja falso comparado a tudo o que ela viveu na noite que se passou, mas aquele sorriso é a maior prova que a força que ela trás dentro de si e imensurável.
A noite foi amarga sim, bem mais salgada do que costuma ser. Mas o dia será docemente apimentado, com o sabor que ela conhece tão bem.
Ela pega a bolsa, as chaves, abre a porta, encara o dia ensolarado e respira fundo. Acende um cigarro e caminha rumo a mais um dia... Forte, firme e sem transparecer aquilo que possivelmente voltará a noite.
Mas a noite... Isso já é outra história!"
Aline Alves

Um comentário: