9 de ago de 2014

UM DIA A SE ESQUECER


"Rasgou como o vento frio no corpo quente.
Tentei de forma tola represar a água salgada que ameaçava jorrar daquele olhar triste.
E aquilo cortava a alma impiedosamente de um jeito mais brutal do que a lâmina em pulsos desesperançosos.
Não houve entendimento e muito menos compreensão, estava mais para uma noite misteriosa de um filme de terror qualquer.
Tanta inquietação em meio a uma chuva de pensamentos caóticos não deveria ser rotina... Não mesmo!
As vezes é incrível como o mundo conspira para alimentar dores assim: uma briga, uma noite ruim, a música melancólica que decide tocar, a foto que me olha na parede gritando aquilo que estava adormecido, a propaganda na TV insistindo em me vender presentes que eu nunca tive a quem dar...
A vida tenta nos ensinar a ser forte, infelizmente ela não avisa que com a força vem o silêncio, os conflitos internos, os monstros no armário dos sonhos, a descrença, a tristeza, a maturidade no olhar da criança e tantas outras coisas que talvez não mereçam ser ditas aqui."
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário