5 de fev de 2012

AMIGO



“Engraçado como o tempo corre e a gente não se dá conta… Quando foi que deixamos a infância pra trás e as espinhas começaram a crescer? Tudo em volta foi ficando menor e as meninas começaram a ficar atraentes aos nossos olhos. Tudo na escola era legal. Menos as aulas, claro. O primeiro emprego, os finais de semana, as famílias reunidas. Nossos filhos correndo pela praça. Nossas conquistas, nossas perdas, felicidades e prantos. Tudo sempre foi nosso. Aquelas músicas que a gente ouvia no carro a 110 km/h. As multas, os desaforos, as fianças. Coisa de garotos. E não há nada que eu não tenha saudade, exceto você. Você continua aqui, continua vivendo o que eu vivo. Continua na minha casa, que também é sua. Continua me dizendo que eu sou medroso quando eu nego pular de bungee-jumping. Continuo te dizendo pra ter cuidado com essas coisas arriscadas, pra você tão divertidas e cheias de adrenalina, pois a idade agora pesa e você vai acabar enfartando. E nós rimos até quase enfartar. Espero que sejamos enterrados juntos quando nos formos, porque quero te assombrar por toda eternidade, seu mané”.
Thiago Lamas

Nenhum comentário:

Postar um comentário