11 de dez de 2012

MISSING


"Creio que essa seja a quinta ou sexta xícara de café que tomo nessa madrugada, perdi a conta enquanto ouvia algumas das muitas músicas que me lembram você. Já reparou que nós nunca tivemos uma música só nossa? As que me fazem lembrar de você, ilustraram fantasias, pensamentos ou momentos meus, sem você. Se bem que nesses anos, grande parte do tempo eu estive sem você, mesmo que você estivesse aqui.
As vezes me agarro as lembranças de um sorriso, um olhar ou um momento em que as palavras fugiram e que me fizeram saber que a vida de alguma forma valeu a pena...
Me lembro ainda do último abraço na estação do metrô, da última vez que vi aquele olhar, aquele sorriso, que senti aquele cheiro... Dói tanto se manter firme em certas decisões!
Muitos me dizem que eu deveria ser firme, deveria me desapegar e deixar pra lá... Mas sei que nenhum deles é capaz de entender o que eu sinto por você e sei que você sabe que de alguma forma estaremos sempre ligadas, mesmo que o tempo passe ou que  nos afastemos.
...
Por mais uma vez pedi que você decidisse e sei que seu silêncio me deu a pior resposta que eu poderia ter. Não haverá volta, não haverá dor que me traga ao que eu senti nesses últimos dias, não haverá nada mais que possa me manter!
Descobri que não se pode prender a alma de um pássaro que nasceu para voar. Que não há muros que impeçam o vento de passar. E que mesmo que você se abrigue da chuva, ainda assim irá se molhar!
Estou indo novamente.
Esperei até o último momento que algo fosse diferente, que alguma atitude resolvesse contradizer todas as minhas expectativas e me surpreendesse e que pela primeira vez eu fosse a primeira opção e não a última.
Perdi muitas das minhas magoas e todo o desejo de culpar alguém por tudo que aconteceu, sei que se chegou ao que é hoje uma grande parcela da culpa é minha, mas existe algo que sempre irá rasgar toda a minha estabilidade e machucar profundamente... Me sinto como o jogador que te ajudou a treinar, te ensinou as regras do jogo e te preparou para a partida, mas na hora da grande decisão você entrou em campo e jogou sozinha e eu fiquei ali no banco de reservas só observando a partida. Na hora da comemoração, não foi pros meus braços que você correu! Sinto que sempre fui o step, a segunda opção, o plano B (se é que em algum momento eu estive nos planos)... E isso dói imensamente!
...
Queria poder deixar algo mais do que toda essa dor que venho sentindo, mas hoje sou incapaz de dar algo mais que isso. Ouça essa canção cada vez que lembrar de mim e saiba que de alguma forma essa foi a única coisa que realmente valeu a pena..."
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário