18 de fev de 2013

O QUE TENHO, MAS NUNCA FOI MEU


"Muito mais difícil que conter uma lágrima é torná-la silenciosa ao ponto em que ninguém consiga notar que estou chorando.
Por muitas vezes me pergunto se eu tenho que pagar por não ser aquilo que idealizaram pra mim... Não sei, mas sei que dói de uma forma inexplicável.
Sinto falta de uma compreensão mínima, de um dialogo que até então foi inexistente, de um dia sem gritos, sem cobranças, sem brigas...
Sinto uma saudade enorme de alguém que eu tenho, mas que de fato nunca foi meu.
Meu Deus, por que eu não pude conhecer? Não pude tocar? Por que eu não pude nem olhar no fundo daqueles olhos verdes? Não há nem ao menos um tumulo para levar flores, para sentar e conversar na esperança que ele me ouça. Tudo o que eu tenho são algumas fotos e as histórias que me contaram.
Nada me tira do pensamento que se aquela maldita tarde, à 23 anos atrás, não tivesse existido, hoje tanta coisa ia ser menos pesada.
Existem tantos vazios dentro de mim que nem sei por qual choro nessa noite... Mas sei que um deles é grande de mais pra ser escondido.
Eu não sou forte, não mais.
Eu só queria conseguir jogar tudo pro ar e sumir pra onde o mundo seja apenas o chão sob meus pés e um caminho que me leve pra qualquer lugar onde eu possa o encontrar guardando o maior dos abraços que alguém poderia me dar!"
Aline Alves

Um comentário:

  1. Moça, você é sensacional ao escrever !
    Gosto muito de ler o que você faz, vem do coração, é genuíno e brilhante !

    Acredite quando eu falo, você tem o dom para poesia, um dom que não é aprendido, mas sim vivido!

    Ao ler este texto seu, me identifiquei MUITO, sei exatamente o que você está querendo dizer com isso e sei o quanto é doloroso!

    Parabéns, seja feliz... e faça mais do mesmo que você atingirá muitos corações !

    ResponderExcluir