23 de mar de 2015

CHAPEUZINHO E A BRUXA


"Olha ai, mais uma vez aquela velha sensação que eu já deveria estar cansada de sentir. Afinal o frio na barriga, os pensamentos constantes e o sorriso bobo nos lábios não são comuns em momentos assim? O que faria disso algo especial?
São perguntas tão lógicas que eu deveria ter as respostas na ponta da língua. Mas ainda assim tantos livros lidos, tanto estudo e tantas vivências não me tornaram capaz de dar uma resposta a tudo isso. Mas como definir um conto de fadas no qual a chapeuzinho vermelho se apaixona pela bruxa?
E eu pareço uma criança com sua primeira paixão platônica. Olho o celular a cada minuto, só pra ver se ela vai aparecer em algum momento. Imagino nossos dias como em um comercial de margarina e nossas noites como uma novela mexicana. Quero contar meu dia, minha vida. Quero saber de tudo e ainda assim me surpreender com as coisas mais banais e ao mesmo tempo interessantes que ela tem a me dizer. Quero ouvir sua voz e sentir seus suspiros em silêncio. Quero rir dos seus “trens” e “uais” e ao mesmo tempo me encantar enquanto ela discursa sobre politica, direita ou esquerda, sobre arte, música, teorias da conspiração e sobre a beleza da natureza.
Tão nova e tão diferente do que estou acostumada, que eu seria leviana se ousasse compará-la ao que estou acostumada a ver por ai. Tão perto que se eu fechar os olhos posso sentir como se o calor de seus lábios pudessem tocar a minha pele fria. Mas ao mesmo tempo tão longe que não posso largar tudo e sair correndo só pra me perder nos caminhos de um abraço demorado.
Quero sentar em uma mesa de bar e entre uma cerveja e outra, me embriagar na luz de cada sorriso largo que ela der quando eu disser uma bobagem qualquer.
Menina que apareceu como um terremoto e que acabou trazendo a calmaria onde a paz não costuma visitar.
E que venham os dias, as surpresas, os carinhos... E que não se anseie pelo que pode ou não ser, pois os melhores dias são aqueles que se vive sem esperar. Basta apenas fechar os olhos e pairar nesse momento. Pois não preciso ter o céu, já me basta ter uma única estrela."
Aline Alves

2 comentários:

  1. Li e até o final e gostei ....tao incostante e bipolar como eu ...um abraço aos criadores do blog ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, a intenção foi passar justamente essa inconstância que permeia nossas personalidades. Fico muito feliz que tenha gostado. Abraços!

      Excluir