3 de mai de 2012

CARTAS AOS MEUS - IV


"Sempre me mostrei segura de mim mesmo que por dentro eu estivesse completamente amedrontada, mas olha como você consegue enxergar por entre as barreiras que eu criei.
Por muitas vezes me pego perguntando quem é realmente mais velho aqui, pois ao teu lado me sinto uma criança em busca de colo.
E ainda me disseram uma vez que eu não deveria confiar em ninguém, que pessoas mais novas não são maduras o suficiente e que a distância impede a criação de qualquer laço... Ainda bem que sou péssima em seguir conselhos.
Se sou a criança ou a adulta não sei, o que eu realmente sei é que ao seu lado me sinto diferente, perdida e entregue e ainda assim a salvo.
Talvez amanhã eu não esteja mais aqui ou talvez eu viva mais cem anos, não importa. O que realmente me importa é que nos dias que ainda me restam você esteja presente, pois desde que você surgiu o fardo se tornou menos pesado.
Viva a minha maturidade e deixe-me viver a sua juventude e assim unirmos tudo em uma única criação chamada amizade.
Hoje eu posso dizer sem medo, não há distância ou idade que interfiram em algo tão grande e verdadeiro!"
Aline Alves


Nenhum comentário:

Postar um comentário