25 de mar de 2013

SEM PALAVRAS


"Se tornou normal pensar nela e sentir cheiro de rosas no ar.
Não me contentaria em não tê-la todo dia, não me contentaria em não a amar.
Quero estar perto, quero cuidar...
Sempre me achei boa o bastante para escrever sobre o amor, sobre a dor ou sobre qualquer outra coisa que eu quisesse. Me sentia livre e achei que dominava as palavras, mas desde que ela apareceu percebi que sempre estive tão enganada na minha certeza.
Eu posso escrever milhares de palavras, compor diversas canções e tentar me inspirar em tudo mais que já foi escrito por ai, mas sinto como se não fosse o bastante.
Olha que ironia o destino me reservou, a dona das palavras não sabe o que dizer. Aquela que sempre tinha uma frase pronta engatilhada não encontra mais palavras pra se expressar.
E o deserto se tornou lindo como em um passe de mágica e a luz brilhou pela primeira vez na escuridão que havia tomado conta de mim.
Ainda sinto seu corpo frio se aquecendo no meu, como em uma sinfonia sinto meu cheiro ainda misturado ao seu...
E aqui estou eu novamente dizendo um monte de coisas sem sentido por não saber ao certo o que dizer.
Que ela me desculpe, mas o turbilhão de emoções que toma conta do meu peito e embaralha meus pensamentos tiram de mim qualquer coerência que eu pudesse destinar as minhas palavras!"
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário