15 de jun de 2013

MEU EGOÍSMO


"Em algum lugar no tempo estava prescrito que eu precisava de algo além do comum para sentir que por algum momento eu sou imune a dor. Mas como se tornar imune a parte de si mesmo?
Fiquei por algum tempo encostada na porta do quarto a vendo dormir, esperando que aqueles olhos claros me vissem. Algo em mim dizia que eu não deveria me importar e deixá-la repousar em seu mundo dos sonhos, mas havia uma parte muito mais forte que insistia que ela deveria acordar.
Apenas mais um dia para tê-la ao meu lado e ela estava ali simplesmente dormindo!
A presença física não deveria ser o bastante? Às vezes sinto que não!
E no meu egoísmo eu estou aqui, alimentando uma tempestade em noite estrelada e em silêncio acabo desperdiçando o tempo que deveria usar para sentir sua respiração.
E quando se vive para cuidar de alguém, quem é que cuida de nós?
Vou engolir as lágrimas que querem sair sem permissão e apenas deixar a noite chegar em seu lugar, talvez na madrugada eu possa me encontrar no silêncio do meu caos interior!"
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário