14 de out de 2013

CARTAS NA MESA


"Sem sinais
Só as cartas na mesa
Essa ainda sou eu
Mas renascida em mim mesma

Água limpa e corrente
E com ela pensamentos subsequentes
Se vão, um, outro e outro

É o passado que me fez
Mas que já não é parte de mim
Uma página que compõe a história
Mas que não determina seu fim

E hoje venho encarando momentos
Os mais difíceis talvez
Mas com tal leveza
Que faz a dor ser sutil desta vez

Ouvi falar que pra mim foi fácil
Apenas por essa vez
Mas o momento foi o mesmo que já vivi
Apenas resolvi não me perder

E que seja o sol a me aquecer
E não um sentimento com espinhos
E que sejam meus amigos
Aqueles que estarão comigo pelo caminho

Que seja preciso chorar por uma noite
Mas que a cada manhã nasça um novo sorriso
Não o que já se fez ontem
Mas um mais intenso e preciso

E que cada um abane sua brasa
E que o fogo renasça
Apenas em mim
E que queime a chama mais forte
Que possa fazer brotar a vida antes do fim

E se posso dizer algo nos últimos versos
Que seja que é possível ser leve
Mesmo diante do torto e do inverso
E não há dor que se eleve
Diante da certeza de que o que preciso
Está em mim, no sorriso e na força da alma
E não nas palavras perdidas e sem brilho
De quem não sabe mais do que sente falta!"
Aline Alves

Nenhum comentário:

Postar um comentário